Notícias

Desafios e oportunidades do mercado segurador para os próximos anos

dezembro 19, 2016
Tempo de leitura 2 min

Fonte: CQCS

O ano de 2017 começa cheio de expectativa para o mercado segurador. A pauta inicial é a aprovação do Seguro de Vida Universal (Universal Life) – que estará em discussão nessa sexta, 16 no Conselho Nacional de Seguros Privados (CNSP) – e também a retomada da discussão em torno da regulamentação do Previ Saúde.

O presidente da Confederação Nacional de Seguros Gerais, Previdência Privada e Vida, Saúde Suplementar e Capitalização (CNseg), Marcio Coriolano, disse que no âmbito regulatório, houve o empenho da Superintendência de Seguros Privados (Susep) para que fossem concluídos, satisfatoriamente, os ajustes do Seguro Auto Popular e a tramitação do Seguro-Garantia para obras de infraestrutura no Congresso Nacional.

Coriolano também destacou o encaminhamento da reforma da previdência pelo Poder Executivo e o estudo de um novo modelo para o Seguro Rural que se encontra em discussão em comissão governamental, já criada, e com participação da Federação Nacional de Seguros Gerais (FenSeg). Ele ressaltou que todos os indicadores de desempenho da economia mostraram recuo: a produção industrial recuou 7,8%; a produção da indústria de transformação caiu 7%; a produção de bens duráveis caiu 18,6%; a fabricação de veículos reduziu-se em 17%; o financiamento imobiliário teve queda de 41,5%.

Segundo o executivo, os analistas são unânimes em apontar a retração econômica de 2016 como a maior dos últimos 25 anos. “Os combustíveis de nossa indústria de seguros, o emprego, a renda e o produto, pioraram muito. O rendimento médio voltou a níveis observados ainda no início de 2013. A taxa de desocupação aumentou consistentemente, de 6,2% ao final de 2013 para os atuais 12%. Quanto ao produto, não há nenhuma aposta melhor do que uma queda de 3,5%. Entretanto, o setor deu mostras de resiliência, trimestre pós trimestre. Até outubro, o crescimento da arrecadação aproximava-se de 8%”, enfatizou.

Coriolano disse que a equipe econômica do atual Governo empenhou-se em ações que, ao menos, contribuíram para impedir o progresso do ciclo de contração iniciado desde o segundo trimestre de 2014. “O comportamento altista da inflação foi contido, abrindo a possibilidade da retomada, pelo conselho monetário nacional, da redução da taxa de juros, embora ainda em nível inferior às expectativas dos agentes econômicos. Medidas de natureza estrutural estão sendo intentadas, como a emenda que permitiu o teto dos gastos públicos, a tramitação da emenda da reforma previdenciária, e o projeto de lei que deverá mudar o moroso processo de licitação de obras públicas”, concluiu.

Você também pode gostar

Sem comentários

Deixe um comentário

Scroll Up