Sem categoria

Por que corretores devem apostar no segmento de Seguro Riscos Diversos?

março 26, 2020
cliente acha seguro caro
Tempo de leitura 6 min

Um dos maiores desafios no cotidiano de um corretor de seguros é identificar as reais necessidades do segurado. Nesse sentido, o segmento de Seguro Riscos Diversos tende a ser uma boa opção para manter seus clientes satisfeitos.

Para que você saiba os motivos que fazem dessa modalidade uma ótima opção, preparamos este conteúdo. Ao longo do texto, explicaremos quando esse tipo de seguro surgiu, como ele funciona e por que vale a pena.

Quando surgiu o Seguro Riscos Diversos?

A fim de abordar o tema com a perícia que ele exige, conversamos com Paulo Marchezine, que é Head de Riscos Diversos e Engenharia na Pottencial Seguradora, um dos principais players do Brasil no mercado de garantias.

De acordo com o especialista, não há uma resposta exata para essa pergunta, mas é possível contextualizá-la em um momento histórico. Segundo ele, “o seguro começou na época das capitanias, quando as buscas por mercadorias nas índias eram frequentes. Como muitos dos donos de embarcações perdiam navios para piratas, eles começaram a se juntar para dividir o prejuízo”, explica.

O que é o Seguro Riscos Diversos de Equipamentos?

De modo resumido, esse foi um produto criado para fortalecer a proteção de máquinas e equipamentos em diversas atividades econômicas — agronegócio, saúde, construção civil e assim por diante.

Consequentemente, o Seguro Riscos Diversos de Equipamentos tem uma abrangência bastante ampla e se faz presente em todos os setores da economia, porque garante o pagamento de indenização às empresas em caso de danos causados a tomógrafos, maquinários agrícolas, impressoras gráficas, equipamentos em exposição etc.

Como funciona essa modalidade de seguro?

O segurado pode ser uma pessoa física ou jurídica que tem um ou mais equipamentos e precisa protegê-los por diversas motivações:

  • riscos inerentes à própria atividade exercida — incêndio, roubo, colisão etc;
  • outras causas, como o equipamento ter sido dado em garantia de uma operação de crédito.

Ou seja, as razões por trás da contratação são tão variadas quanto o próprio equipamento segurado. A forma como a contratação ocorre também depende do perfil do cliente e se ele tem um ou mais equipamentos.

Nesse momento, é papel do corretor oferecer todo o suporte necessário para que o cliente entenda quais são os valores aplicados e o que eles representam. A princípio, isso acontece depois de determinar a quais riscos o equipamento em questão está sujeito. A partir disso, estabelece-se quais serão as coberturas contratadas.

“Grandes organizações, que têm frotas de equipamentos numerosas, podem demandar soluções customizadas. Nesses casos, desenvolvemos limites e coberturas específicas para a empresa”, relata Paulo.

Para se ter ideia, algumas empresas começam o processo de avaliação do mercado com 60 ou 90 dias antes do vencimento da apólice para verificar qual é a melhor seguradora para um tipo de equipamento. Algumas delas têm cerca de 200 equipamentos e procuram o que é adequado para cada caso.

Quais são as coberturas disponíveis?

Na maioria das vezes, as coberturas são divididas em duas opções: a básica e as adicionais. A primeira categoria serve para danos causados por fatores externos:

  • colisões;
  • explosões;
  • tombamentos;
  • desmoronamentos;
  • abalroamentos;
  • roubos e furtos qualificados;
  • incêndios;
  • entre outros.

Com relação às adicionais, cabe destacar as seguintes alternativas:

  • içamento, carga e descarga (para frotas);
  • furto simples;
  • equipamentos próximos à água;
  • perda e/ou pagamento de aluguel;
  • danos elétricos.

Quais equívocos podem acontecer no momento da contratação?

Há uma série de erros que podem ocorrer no fechamento do contrato. Por isso, “é sempre importante que as partes estejam alinhadas em relação ao propósito do seguro, que foi criado para proteger a atividade econômica do cliente”, recomenda Paulo. Sendo assim, quanto maior for o número de informações fornecidas pelo interessado no seguro, melhor será a construção de sua proposta.

A relação deve ser completa, com o ano dos equipamentos especificados e o detalhamento de eventuais sinistros passados. Além disso, é preciso verificar como:

  • trabalha o gerenciamento de riscos da empresa;
  • é o treinamento de quem vai operar;
  • está o equipamento de proteção e de combate contra incêndio;
  • é seguido o manual de manutenção dos fabricantes;
  • entre outras questões.

Por que corretores devem apostar no segmento?

Segundo Paulo, “o corretor deve apostar porque é um segmento que representa um potencial de quase 4 bilhões de reais em prêmios”. Isso se deve ao fato de o mercado do Seguro Riscos Diversos de Equipamentos estar bem pautado no agronegócio — trata-se de um setor que continua crescendo no país independentemente das recessões econômicas.

O Brasil depende muito de infraestrutura e qualquer obra desse tipo requer uma série de equipamentos robustos. O valor aplicado para assegurar o equipamento é baixo quando comparado ao investimento operacional realizado. Caso seja necessário comprar outro produto, por exemplo, os juros do financiamento serão mais caros do que a apólice: é uma forma inteligente de fazer a gestão de recursos.

Assim, surgem inúmeras possibilidades para que os corretores possam fidelizar seus clientes. “Afinal, quando uma empresa conta com 100% de seus equipamentos segurados, ela mostra para o mercado que também tem liquidez, algo que repercute até na reputação do negócio”, contextualiza Paulo.

Como a Pottencial pode ajudar?

Além de ser referência de mercado e receber prêmios por seu desempenho, a Pottencial oferece facilidade para os corretores. “Possuímos uma equipe altamente qualificada para o atendimento aos nossos corretores e estamos entre as principais seguradoras de Máquinas e Equipamentos do país. Além disso, oferecemos aos nossos parceiros diversas modalidades de contratação em apólices frota, contratadas risco a risco ou LMI Único, com coberturas diferenciadas e voltadas para os segmentos agrícola, construção, indústria, hospitalares, dentre outros”, comenta Paulo.

O cliente pode fazer a contratação por meio do corretor usando uma apólice online, na qual é feita uma cotação para saber o preço. Ao optar pelo fechamento, a Pottencial devolve o contrato pronto em dois dias. Não à toa, a empresa é reconhecida pela agilidade na emissão da apólice e no atendimento — tudo para fornecer uma boa experiência aos segurados.

Enfim, o Seguro Riscos Diversos de Equipamentos é uma excelente alternativa para diversificar seu portfólio e conquistar novos clientes.

Se você gostou do conteúdo e quer apostar nesse segmento, entre em contato com a Pottencial — nós podemos ajudar!

Você também pode gostar

Sem comentários

Deixe um comentário

Scroll Up